Arquivo - Categoria: Geral

“BR Trans”, a arte de ator Silvero Pereira, de Momba√ßa no Cear√° para o mundo.

O espet√°culo come√ßa entre adere√ßos no palco, luzes que acendem e dores que se apagam. Vestido vermelho, brilhos e permiss√Ķes. # BR Trans Silvero/Gisele enumera estat√≠sticas e horrores nessa encena√ß√£o coroada. Lanternas iluminando vidas que se foram. F√≥rceps entre vida e morte. Restos de hist√≥rias deixadas na aspereza do asfalto. Mulheres que n√£o menstruam. Trasvestis(…)

Cr√≠tica: Com Ot√°vio Augusto celebrando 50 anos de teatro, ‚ÄėA Tropa‚Äô explora encruzilhada do pa√≠s

Ator de espet√°culos hist√≥ricos de teatro pol√≠tico no Brasil dos anos 1960, como ‚ÄúOs Inimigos‚ÄĚ e ‚ÄúGalileu Galilei‚ÄĚ, Ot√°vio Augusto encontrou em ‚ÄúA Tropa‚ÄĚ um texto bastante oportuno para comemorar seus 50 anos de palco. N√£o que o jovem autor Gustavo Pinheiro seja um dramaturgo pronto ou que sua pe√ßa possa ser comparada √†quelas de(…)

“Tom na Fazenda”, Sr sin√īnimo procura equilalentes, em mostra Arte e Diversidade no Ita√ļ Cultural SP.

Figuras de linguagens, amea√ßas e muita imagina√ß√£o. Semiologia entre texto e imagens, onde a atmosfera incorp√≥rea, revela o que se chama, a√ß√£o. Nas pegadas de Caim e Abel, rela√ß√Ķes entre irm√£os, j√° causam esp√©cie. O cunhado com fogo nos olhos. Cabe√ßa virada, tronco e membros. A narrativa alterna temas, pastos e paisagens. Atores impressos nos(…)

“O Auto da Compadecida”, Cia Limite celebra anivers√°rio de Ariano Suassuna (1927-2014), no Rio de Janeiro

Ariano Suassuna faria 90 anos. A data comemorativa, 16 de julho, serviu de mote para a reestreia de O Auto da Compadecida, em cartaz no Teatro Eva Herz, na regi√£o central da cidade do Rio de Janeiro. Na plateia, sorrisos estampados nos rostos daqueles que j√° conheciam a hist√≥ria amplamente difundida pelo cinema. A precis√£o(…)

“Janis, mon√≥logo musical” texto de Diogo Liberano, no Teatro Oi Futuro – RJ

Carol Fazu √© um transbordamento, ela n√£o se caracteriza como Janis Joplin, ela solta a voz para muito al√©m das pulseiras, do figurino e do cabelo encaracolado. Estaciona sua Mercedez Benz em cima das cal√ßadas da fama, das mesas de bar e para nossa surpresa, fala de qu√≠mica, da Lei de Antoine Lavoisier, da chuva(…)

“Hamlet – Som e F√ļria”, montagem da Armaz√©m Cia. de Teatro, estr√©ia no CCBB – RJ

Mentes impacientes, atua√ß√Ķes espont√Ęneas, estudos continuados e sapatos gastos entre os caminhos que levam ao teatro. Nesse novo trabalho, William Shakespeare √© reverenciado a cada passo da edi√ß√£o do texto. A ousadia e a sofistica√ß√£o, marcas da companhia, seguem adiante. Trazendo vibra√ß√£o √† cada troca de cena e de luz. A m√ļsica, presen√ßa constante e(…)

“Alair”, texto inspirado no olheiro de Ipanema, em cartaz na Casa de Cultura Laura Alvim – Rio de Janeiro

Denise Weinberg, grande atriz, me disse uma vez: – “Fot√≥grafo v√™ coisa que a gente n√£o v√™”. Ontem, caminhando pela praia de Ipanema, pude observar que as imagens de Alair Gomes, n√£o est√£o mais l√°. S√≥ apareceram para ele. Conheci o Rio de Janeiro, em meados dos anos 70. O n√ļmero 442 da Avenida Vieira(…)

“Cidade Correria”, o Coletivo Bonobando, se apresenta no m√≠tico Teatro Ipanema, no Rio de janeiro.

Espet√°culo criado √† partir de depoimentos autobiogr√°ficos. Desenvolvido entre contos e poesia. Onde a vida do ator humaniza o teatro, as viv√™ncias e os desnudamentos. O Palco √© um ch√£o de rupturas, sacraliza o of√≠cio. Chaves despencam no alto do palco, abrem portas, entre as Unidades de Pacifica√ß√£o, o quartel e as experimenta√ß√Ķes ritual√≠sticas. Descartes(…)

“Marte, voc√™ est√° a√≠”? T√≠tulo sugestivo, montagem idem.

Estrelas cheias de luz, solit√°rias, pelos palcos do Audit√≥rio. Sonoplastia, ambienta√ß√£o e feridas. Brindes √†s coisas est√°ticas. Fechando os olhos, poderemos estar em Marte. Ou num pa√≠s melhor. Sentados num sof√° ou uma montanha de Minas Gerais, aveludada. Persegui√ß√Ķes, desamparos e feridas. Vozes e paran√≥ias sobre como √© estar no mundo ou dizer segredos: –(…)

“N√£o vejo Moscou da janela do meu quarto”, diretora Silvana Garcia, mistura Tch√©khov e Cort√°zar.

Montagem premiada, onde o espa√ßo c√™nico √© tamb√©m protagonista, propiciando jogos entre met√°foras, tangos e escolhas. Atores jogando fora tudo aquilo que n√£o √© essencial para a vida. Flutua√ß√Ķes imaginativas, descartes l√ļdicos. Construindo a narrativa repleta de passagens de tempo. Recusas e escolhas para temer a morte, mudan√ßas e rupturas. Confinados na geografia contada por(…)