Crítica: Divertido e inventivo, ‘Peter Pan’ abre temporada musical

Nelson de Sá

Como escreveu o crítico Brooks Atkinson em 1954, sobre a estreia da adaptação musical americana para a peça inglesa de J.M. Barrie, é um espetáculo “enormemente divertido”.

Na encenação brasileira, talvez até mais —com voos ameaçadores sobre a plateia, de um Peter Pan acrobático agora feito por um ator, não atriz, e com jacaré mecânico. Uma superprodução para os padrões paulistanos e até para a Broadway original.

E tanta engenhosidade espetacular, devida em parte à produtora Renata Borges, mais participativa que o costume no Brasil, ainda assim é sobrepujada pela liberdade que encenação e elenco se permitem.

Atkinson, no New York Times, saudou em especial a “inventividade e delícia” com que o diretor e coreógrafo Jerome Robbins havia criado seus balés cômicos.

Pode-se afirmar o mesmo do diretor José Possi Neto e do coreógrafo Alonso Barros, que, a cada cena, parecem mais tomados pelo desejo de ombrear com o hoje lendário Robbins (1918-98).

O que fazem com Uga Uga, o segundo quadro do segundo ato, é talvez a melhor resposta contemporânea ao que o texto traz de mais datado —seu retrato preconceituoso dos índios americanos.

Não se escondeu nada, mas o delírio de movimentos que o Peter Pan de Mateus Ribeiro e sobretudo a Tiger Lily de Carol Botelho comandam no palco, na cena bastante estendida e que parece envolver todo o elenco, é avassalador, empolgante.

O público começa a aplaudir no meio do quadro, as crianças gritam, como se quisessem entrar no ritual frenético, quase um show à parte, com coreografias e arranjos que remetem para todo lado, cumulativamente.

A cena não deve ser creditada só a Possi, Alonso e seus 32 atores, mas também ao diretor musical Carlos Bauzys, costurando uma apoteose como poucas vezes se assistiu no gênero, no país.

E tem mais, em sofisticação criativa local, neste “Peter Pan – O Musical da Broadway”, na denominação usada no programa. Daniel Boaventura parece ter ido buscar nos seus primórdios no teatro, em plena comédia musical baiana dos anos 1980 e 90, as chaves para fazer do Capitão Gancho a estrela cômica da noite.

Suas cenas são ansiadas pelo público não só pela celebridade que ele alcançou nos musicais brasileiros mas pelo que abraça de humor desabrido e popular, desde a primeira aparição.

Não é possível mensurar o quanto Boaventura e seu “sidekick”, o agitado e engraçadíssimo Smee de Pedro Navarro, carregam da pantomima que inspirou J.M. Barrie (“panto”, a tradicional comédia popular inglesa, não simplesmente mímica), mas ela está presente na dupla.

Navarro e Carol Botelho são dois dos vários intérpretes de segundo plano ou do coro que parecem ascender por vezes à posição de protagonistas, dada a qualidade abundante no espetáculo, mas Bianca Tadini está sempre lá.

Mais que Peter, é sua Wendy que leva o público pela mão ou, melhor, pela voz, a mais aconchegante, afetuosa. Embala as crianças que se esforçam para chegar acordadas ao final das quase três horas da apresentação.

PETER PAN, O MUSICAL

QUANDO qui. e sex., às 20h30, sáb., às 16h e 20h, dom., às 17h; até 15/7

ONDE Teatro Alfa, r. Bento Branco de Andrade Filho, 722, tel. (11) 5693-4000

QUANTO R$ 50 a R$ 210

AVALIAÇÃO ótimo ★★★★★