“O Assassinato do Presidente”Texto e Direção Paulo de Faria no Teatro Pessoal do Faroeste

O taconeado abre trabalhos, entre cordas e sortilégios.

A orquestra acompanha e recria climas, onde a atmosfera sangue no olho, enche a visão.

Entumece os sentidos.

Tudo gutural. Espasmódico.

A porta do “Sallon Bar”, descortina o cenário. Bebiba “Cow Boy”, goela abaixo.

Dores da alma. A diva canta. O pau come.

Fluidos e magia. Muito a olhar. Espelhos.

O Rei da Boca, com sede na Rua Triunfo:

– “Cigarro”?

– “Obrigado, eu não uso drogas”.

Salvo por pastor, transformado em demônio:

– “A prisão, uma universidade que eu precisava cursar, lá eu aprendi tudo. O tráfico foi uma consequência. Quando eu saí de lá, eu vim direto para cá. Para a Cracolândia. Eu expandi os negócios. Comecei com prostituição, assaltos a bancos joalherias, galerias de arte…”.

– “Aqui é tudo Maria Bonomi. Original”.

Advogados do STF, salários dobrados, crimes cometidos:

– “Naquela mala tem cem mil reais, para você”.

Encenação provocativa. onde as paredes do espaço contornam tiros, erupções e a lingerie da primogênita:

– “Você teve mãe”?

– “Sei lá. Se tive, esqueci. Morreu. Deve ter sido insignificante, como todas as mulheres”.

Um show da atriz transexual Leona Jhovs.

Paulo de Faria, mestre de obra e motorneiro, conduz a Cia Pessoal do Faroeste há mais de vinte anos.

Sigo os trilhos dos bondes desse cara.

Vocacionado a quebrar tabus. Na luz.

Teatro Pessoal do Faroeste – SP

Hoje 20h (Última apresentação da temporada)

26 Janeiro 2018

 

Texto e Direção: Paulo Faria

Atores: Leona Jhovs e Paulo Faria
Músicos: Breno barros (Contrabaixo); Gabriel Parreira (celista);
Gabriel Eleutério (violino), Felipe Pan Chacon (Multi instrumentista).
Diretor Musical: Felipe Pan ChaconFigurinista: Alessandro Correia Marques
Assistente de Direção Musical: Rodrigo Zanettini
Assistente de Direção: Eduardo Fonseca
Operação de Luz: Tomate Saraiva
Visagismo: Alexandre Araujo
Produtora Administrativa: Mônica Azevedo
Diretor de Produção: Brunner Macedo