“Nu de Botas” montagem inspirada no texto de Antonio Prata, no Sesc Belenzinho

Por Lenise Pinheiro

De cara para o sol, azulejos, vapores, toucas de banho e cheiro de shampoo, cenografia do mundo inundado pela imaginação.

Luzes de neon, ping pong e epifanias.

Choros e fitinhas vermelhas.

Festinhas no banco de trás da Brasilia.

Poltrona sem a perna esquerda do seu Duílio:

– “Meu Deus. Ele não tem uma perna”.

Apelos, amores e graças.

Cacos de cerâmica vermelha, um elefante e um navio, nesse quintal.

Heregias, mudanças e muito ego:

– “A Gente morava no sétimo andar. No nono andar morava minha tia, com o marido dela. Agora sou eu, a Branca, O Benjamin, e minha mãe. Essa casa era mais minha do que de qualquer outra pessoa, só tinha uma área fora do meu domínio, o quarto da Vanda, a moça que trabalhava lá em casa.

Peça com toda a sorte de mães:

– “Madres de Mayo até as de Acari”.

Mulheres subversivas. Cometas, esmaltes e camarins.

Labaredas esparramando falas. Atores telepáticos.

Chaves e trilhas da vida real.

Todos os bichos.

Todos os Brasis.

Mares abertos:

– “Naquele verão, eu ainda não sabia o que é o amor, nunca tinha recebido um bilhetinho apaixonado, no colégio. Nem nunca tinha me deitado num gramado úmido, para acalmar o coração. Nunca tinha visto uma estrela caindo para eu fazer um pedido”.

Verdades, pensamentos e samambaias.

Desse estranho jardim.

Sesc Belenzinho – SALA DE ESPETÁCULOS I – SP

Sextas e Sábados 21h30 Domingos 18h30

Baseado na obra da Antonio Prata

Dramaturgia: Cristina Moura e Pedro Brício

Direção: Cristina Moura

Atores: Luciana Paes, Isabel Gueron, Thiare Maia Amaral / Keli Freitas, Pedro Brício e Renato Linhares

Cenários: Olivia Ferreira e Pedro Garavaglia

Iluminação: Francisco Rocha

Figurinos: Ticiana Passos

Direção musical: Domenico Lancelotti

Direção de Produção: Dadá Maia