“Cidade Correria”, o Coletivo Bonobando, se apresenta no mítico Teatro Ipanema, no Rio de janeiro.

Por Lenise Pinheiro

Espetáculo criado à partir de depoimentos autobiográficos. Desenvolvido entre contos e poesia. Onde a vida do ator humaniza o teatro, as vivências e os desnudamentos. O Palco é um chão de rupturas, sacraliza o ofício. Chaves despencam no alto do palco, abrem portas, entre as Unidades de Pacificação, o quartel e as experimentações ritualísticas. Descartes transformadores, do teatros da laje Arena Dicró. Aparelhos culturais da periferia, desfomentados. Ganham mais não levam. Reinventam bilheterias e estratégias. Questões pessoais, micro e macro políticas. Internéticas. Performances para antenar, para não deixar passar batido, para afastar o machismo, o racismo e o preconceito. Misturando diastema, educação e engajamento:

– “Esse mundo torto já entrou na cidade que se infernou. Aqui somos roubados por polícia e por ladrões. Já nem podemos estar livres, eu já perdi a escolha, a cidade me mata, a minha vida foi um círculo de porta e tranca. Céu e grade. Eu nasci na arrecadação da paisagem, num lugar desmapeado do mundo. Mas o pior acontecia quando chovia. A chuva me sacudia, mal chuviscava ela me despertava, me suspendia, me despia e me empurrava para fora de casa”.

Dez jovens atores e Sofia da Silva, ainda bebê, com sessenta dias de vida. Mais de quinhentos anos de força. Pipas que voam. Olhos que brilham.

– “Eu sou a Cidade Correria. Sou faísca e a cinza. Fósforo de luz do corpo que não resistiu. E que nunca existiu…sei não. Sou também a isca na minha armadilha, já viu? Sou o cheiro que fede seu chão. Sou a fuga. O quedar dos fatos. O céu enterrado no chão. Rápida como a lógica. Ontem eu era pássaro. Hoje chumbo grosso, metal pesado. A ferida, corpo lesado. Terra velha e assombrada. Nasci mal tratada”.

Gritos.

Teatro Ipanema – Rio de Janeiro – RJ

Quartas e Quintas, 20h

Direção: Adriana Schneider e Lucas Oradovschi

Concepção e Dramaturgia: Coletivo Bonobando

Elenco:

Daniela Joyce

Hugo Bernardo

Igor da Silva

Jardila Baptista

Karla Suarez

Livia Laso

Marcelo Magano

Patrick Sonata

Thiago Rosa

Vanessa Rocha

Metodologia de Dramaturgia: Adriana Schneider

Direção de Movimento: Cátia Costa e Mariana Mordente

Direção Musical e Trilha Sonora Original: Ricardo Cotrim

Direção de Arte: Fabiana Mimura

Iluminação: Nina Balbi

Preparação Corporal: Cátia Costa

Treinamento de Máscaras Balinesas: Lucas Oradovschi

Assistência de Arte: Filipe Duarte

Direção de Produção: Karla Suarez

Produção Executiva: Marcelo de Brito

Comunicação: Karla Suarez e Marcelo Magano