Peças para ver no fim de semana

Por Nelson de Sá

Dicas da Lenise e minhas:

O Dia em que Sam Morreu – Em tempos de campanha, uma luz sobre a corrupção que está em nós, arraigada, cotidiana, e não aquela que só identificamos no outro. Pela ótima companhia carioca Armazém. Teatro Anchieta. Sextas e sábados, 21h. Domingos, 18h

Cacilda!!!!! A Rainha Decapitada – Salto brilhante das atrizes Camila Mota e Sylvia Prado em direção à história de Cacilda Becker. Teatro Oficina. Sábados, 19h

Caros Ouvintes – Disputas, intrigas e nostalgia. Teatro nas vozes e nas rotações. Auditório Masp. Sextas, 18h e 21h. Sábados, 21h. Domingos, 19h30

Frida y Diego – Tramas históricas. Vivenciadas sob a égide da comicidade, do erotismo e do encantamento. Teatro Raul Cortez/Fecomércio. Sextas, 21h30. Sábados, 21h. Domingos, 19h

Trair e Coçar É Só Começar – O texto de Marcos Caruso expõe artérias, olhares e articulações. A atriz Anastácia Custódio tensiona fibras nervosas entre palco e plateia. Teatro Santo Agostinho. Sextas, 21h30. Sábados, 20h. Domingos, 18h

Walmor y Cacilda 64 – Robogolpe – Montagem acachapante, vigorosa, política e musical. Teatro Oficina. Domingos, 19h

E dois musicais para ver durante a semana:

Luz Negra – Com grandes atores-atores, o Pessoal do Faroeste conta uma outra história de São Paulo, sobre a Frente Negra dos anos 30. Sede Luz do Faroeste. Terças e quartas, 21h

Cia. Livre Canta Kaná Kawã – Cibele Forjaz e sua companhia apresentam São Paulo a uma lenda do povo amazônico Marubo, sobre o sequestro de um mulher por um raio -e a busca reveladora empreendida por seu marido. Casa Livre. Terças e quartas, 20h (Últimas apresentações da temporada)